A longa mão do Fascismo

Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus, nascida Amabile Lucia Visintainer em 16/12/1865, em Vigolo Vattaro - Tirol, Áustria.

Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus, nascida Amabile Lucia Visintainer.

Este ano comemoramos os 150 anos do nascimento de Amabile Lucia Visintainer, que veio ao mundo em Vigolo Vattaro, no Condado do Tirol, Império Austríaco, em 16/12/1865.

Amabile era filha de Napoleone Visintainer e Anna Pianezzer. Quando tinha somente 10 anos, os pais de Amabile resolveram, como milhares de outros tiroleses, emigrar para o Brasil. A família Visintainer se estabeleceu na localidade de Vigolo, em Nova Trento, onde habitavam também muitos outros imigrantes dessa mesma cidade.

Em Nova Trento, inspirada por visões da Madonna, Amabile deu inicio a uma grande obra, que veio a se tornar a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição. Em 1903, mudou-se para São Paulo, de onde expandiu as atividades da Congregação, que hoje está presente em diversos países do mundo, e por sua obra Amabile foi canonizada em 19/05/2002, pelo papa João Paulo II.

Basílica dedicada a Santa Paulina, localizada no bairro Vigolo, em Nova Trento (SC)

Basílica dedicada a Santa Paulina, localizada no bairro Vigolo, em Nova Trento

Enquanto Santa Paulina realizava sua grande obra no Brasil, os anos do início do século XX eram difíceis na sua terra natal. Especialmente após o Tratado de Saint-Germain, assinado em 1919, que obrigou a Áustria a ceder a região sul do Tirol (atuais províncias de Trento e Bolzano) ao então Reino da Itália. A ascensão do Fascismo, poucos anos depois, revelou-se um verdadeiro flagelo para a região.

A intenção de Roma era apagar toda e qualquer lembrança da antiga pátria austríaca. Túmulos e monumentos foram destruídos. Nomes de cidades e localidades foram alterados. Os tiroleses de língua alemã, concentrados sobretudo na província de Bolzano, foram proibidos de utilizar seu idioma. O próprio nome “Tirol” foi proibido.

Milhares de sobrenomes foram italianizados. Não somente os sobrenomes alemães da região de Bolzano, mas também os muitos sobrenomes de origem germânica presentes na região de Trento, como Moser, Pompermayer, Feller, Archer, Piffer, Ueller, Pruner, Beber…  e Visintainer.

Quem hoje chega ao bairro de Vigolo, em Nova Trento, pode visitar, além da grande basílica, uma réplica do casebre onde, em 1890, Santa Paulina começou sua obra, cuidando de Angela Viviani, uma mulher com câncer em fase terminal. No casebre hoje se encontram alguns documentos relacionados com a vida de Amabile Visentainer: entre eles, uma cópia, feita há alguns anos, da página do livro de batismos de Vigolo Vattaro, onde está registrado seu nascimento.

Nascimento Amabile Visintainer

Registro de batismo de Amabile Visintainer. Sob o registro, lê-se: “o sobrenome foi mudado para Visintini com decreto Preffetizio 31/X/1930”

Analisando o documento, nota-se com espanto que nem mesmo Amabile escapou ilesa da perseguição do Fascismo italiano. No final do ano de 1930, quando Madre Paulina, já idosa, trabalhava em São Paulo em prol dos pobres e necessitados, um decreto Prefettizio ordenou a italianização do seu sobrenome, de Visintainer para Visintini.

É provável que Amabile tenha vivido os últimos doze anos de sua vida sem tomar conhecimento do decreto que, na Europa, alterou seu sobrenome. Vivendo no Brasil, Amabile e os demais imigrantes tiroleses foram poupados da perseguição fascista com a qual seus parentes estavam sofrendo na Europa. Porém, é assustador constatar que a longa mão do Fascismo buscou alcançar até mesmo uma pobre freira imigrante, que havia deixado sua terra natal havia mais de 50 anos.

Certidão de óbito de Santa Paulina, Amabile Visentainer (Wisenteiner em alguns registros de Nova Trento).

Certidão de óbito de Santa Paulina, Amabile Visentainer (Wisenteiner).

Anúncios

5 comentários sobre “A longa mão do Fascismo

  1. Olá, sou da família Feller que veio de Besenello Trento, porém aqui no Brasil a partir do meu avô nosso sobrenome foi mudado para Felix, gostaria de saber para qual sobrenome a família Feller foi italianizado.

    Curtir

    • Prezado Thiago:
      É difícil saber, pois a italianização dos sobrenomes não seguia regras fixas. No entanto, o sobrenome Feller é ainda muito comum na região de Trento. É, sem dúvida, um sobrenome germânico originário de Folgaria (Vielgereuth, Folgherait) e de Terragnolo (Leimtal).

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s