Em memória de Andreas Thaler

thaler andreas

Andreas Thaler (1883 – 1939)

 

No dia 28 de junho de 1939 falecia tragicamente no Brasil o ex-ministro da agricultura austríaco Andreas Thaler, fundador da Colônia Dreizehnlinden (atual município de Treze Tílias).

Também em um dia 28 de junho, falecia (assassinado) em Saraievo o arquiduque Francisco Ferdinando de Habsburgo-Este (Franz Ferdinand Carl Ludwig Joseph Maria von Österreich-Este), herdeiro direto do trono do Império Austro-Húngaro. O trágico acontecimento mudaria completamente os rumos políticos e sociais da Europa, sendo o estopim para a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918).

E, de certa forma, aquele dia 28 de junho era também um “início” para a fundação da futura cidade de Treze Tílias…

Após a Primeira Guerra e a divisão do Tirol, a situação social da recém-fundada República da Áustria era preocupante. Os nacionalismos e tensões políticas anunciavam uma nova guerra e o então ministro da agricultura da Áustria, o tirolês de Wildschönau, Andreas Thaler idealizou uma colonização na América do Sul, tendo escolhido o Brasil para fundar, em 1933, a colônia Dreizehnlinden. Thaler liderou um processo emigratório para o Brasil que, entre 1933 e 1938, trouxe vários imigrantes austríacos, principalmente tiroleses do norte e algumas famílias de sul-tiroleses (já cidadãos italianos).

 

Treze Tílias “novo Tirol” (Dreizehnlinden Neu Tirol)

Sem dúvida, a fundação de Treze Tílias está intimamente ligada à trágica divisão do Tirol após a Primeira Guerra Mundial (1918). A colônia foi fundada por iniciativa do próprio Thaler, que foi presidente da Liga Tirolesa dos Agricultores (Tiroler Bauernbund) e chegou ao ministério da agricultura austríaco em 1926, permanecendo no cargo até 1929. Foi senador até 1934 e, de 1930 a 1931, novamente ministro da agricultura, quando já demonstrava intenção de iniciar um programa de emigração para a América do Sul.

Thaler conhecia muito bem a situação da Áustria de então (outrora um grandioso império reduzido a uma pequena república) e previu uma guerra europeia muito pior do que aquela que presenciou. Por conta disso, acreditava que uma solução plausível seria a imigração, que poderia “unificar” simbolicamente o Tirol em terras estrangeiras.

congresso eucaristicoOs motivos principais foram a crise econômica que assolava a Áustria, a falta de perspectivas de trabalho para a juventude austríaca e a falta de espaço para muitos agricultores. Desde o final do Império Austríaco, em 1918, cerca de 60.000 austríacos emigraram por conta da forte crise que se seguiu. A princípio, o ministro austríaco pensou em estabelecer a nova colônia no Paraguai e chegou a circular pelo país, bem como pela Argentina e pelo Brasil, mas acabou escolhendo o estado de Santa Catarina para estabelecer os imigrantes. Thaler fundou em 1933 a Sociedade de Colonização no Exterior Ltda, com sede em Viena. A sociedade adquiriu terras com ajuda dos governos brasileiro e austríaco, de modo que os colonos pagassem (em dinheiro e com trabalho) pelas terras onde se estabeleceriam.

O primeiro grupo chegou ao Brasil em 1933 e seguiram-se outros grupos de imigrantes até 1938. A intenção inicial era batizar a colônia com o nome Neu Tirol (“Novo Tirol”), mas Thaler ficou sabendo da existência de outras comunidades que já se chamavam Tirol. De fato, no Brasil existem Colônia Tirol, em Santa Leopoldina/ES, Tiroleses em Timbó/SC, Santa Maria do Novo Tirol em Piraquara/PR, entre outras comunidades fundadas por imigrantes tiroleses.

Livro Treze Tilias

O livro que inspirou o nome da colônia austríaca.

 

Já no Brasil, Thaler foi presenteado por seu filho Andrä com um livro do escritor alemão Friedrich Wilhelm Weber intitulado Die Dreizehnlinden (“As treze tílias”). O poema épico contava sobre um mosteiro medieval onde perfilavam treze árvores de tília (considerada um símbolo de sabedoria pelos antigos germânicos) e sobre a conversão de pagãos ao Cristianismo. Após ter lido o livro, Thaler resolveu batizar a nova colônia com o nome Dreizehnlinden – hoje a cidade de Treze Tílias.

 

imigrantes

Thaler com um grupo de imigrantes.

 

O primeiro grupo chegou no navio “Principessa Maria” que trouxe o grupo pioneiro (85 pessoas do Tirol e Vorarlberg) saiu de Gênova, em 1933, e fez uma primeira parada no porto do Rio de Janeiro (onde os imigrantes permaneceram por oito dias) e, dali, seguiram para São Francisco do Sul/SC a bordo do barco “Baependi”. De trem, seguiram para Barra do Rio São Bento (atual Ibicaré/SC) e, dali, subiram a pé e com carroças até o local da colônia.

A Colônia Treze Tílias em 1938.

 

Thaler morou com sua família na colônia de 1933 a 1939 e foi seu líder comunitário. Construiu sua casa inspirando-se na arquitetura da renomada Escola Agrícola de Rotholz, em Schwaz (Tirol setentrional). A antiga casa da família Thaler abriga hoje o museu municipal que leva o nome do fundador da colônia.

construção castelinho

Construção da casa da família Thaler (1934).

 

castelinho

Museu Andreas Thaler, em Treze Tílias.

 

Morte trágica.

O mês de junho de 1938 foi marcado por chuvas prolongadas e intensas. O nível do rio Papuan – chamado na Colônia Dreizehnlinden “Mühlbach” (“riacho do moinho”) – elevou-se a ponto de ameaçar uma área da colônia, o vale onde se encontrava o moinho (Mühltal), entre outras oficinas, ferraria e casas.

A correnteza havia trazido muitos galhos e troncos que impediam o escoamento e, caso as águas se acumulassem e o emaranhado de galhos e troncos se rompesse de uma só vez, o grande volume de água que seria liberado poderia destruir as casas e oficinas daquela parte da colônia.

Por volta das 23 horas do dia 27 de junho, um grupo de aproximadamente vinte homens seguiu para o vale onde se encontrava o moinho. Com eles, estava também o líder da colônia Andreas Thaler.

Era madrugada do dia 28 de junho e os trabalhos para impedir a enchente continuavam. Alguns homens estavam em cima da ponte que cortava o vale do moinho e havia o perigo de a ponte se romper por causa da força das águas.

Thaler Andeas

Andreas Thaler

Os homens tentaram desbloquear o escoamento como podiam e Andreas Thaler (já com certa idade) se encontrava no meio da ponte, iluminando o local com uma lanterna, ajudando e orientando o trabalho. De repente, a ponte se ergueu com a força das águas e se virou de modo abrupto. Os homens que estavam nas pontas conseguiram, pular para as margens, mas o líder da colônia não teve tempo de fugir. Provavelmente, Thaler sofrera alguma pancada que o impediu de nadar para a margem e, juntamente com a ponte, sumiu nas águas violentas. Seu corpo seria encontrado somente no dia 1º de julho, por volta do meio dia, a uma distância de quase um quilômetro abaixo do local onde se encontrava a ponte.

No dia 2 de julho de 1939, a população de Dreizehnlinden, comovida, sepultava o seu líder comunitário e idealizador da colônia.

ministro Thaler

Andreas Thaler com familiares e amigos.

 

familia thaler.

A família Thaler com um retrato do pai Andreas.

Anúncios

3 comentários sobre “Em memória de Andreas Thaler

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s