1916 – 2016: recordando o imperador

franz-joseph

Francisco José I, imperador da Áustria-Hungria.

Neste dia 21 de novembro de 2016, o Blog Tiroleses no Brasil recorda a figura do imperador austríaco Francisco José de Habsburgo (1830 – 1916) no centenário de sua morte.

Francisco José I (al. Franz Joseph von Habsburg; it. Francesco Giuseppe d’Asburgo, hung. Ferenc Józsefet) foi imperador da Áustria, rei apostólico da Hungria e, portanto, monarca do Império Austro-húngaro.

Imperio Austria-Hungria

O Império Austro-Húngaro em 1918. Em vermelho, as terras do Império Austríaco; em Amarelo, as terras do Reino da Hungria.

 

A figura do imperador austríaco inspirava nos povos do império um profundo respeito que será visto, inclusive, nas colônias brasileiras. Membro de uma das mais importantes casas da nobreza europeia, Francisco José de Habsburgo possuía inúmeros títulos:

Sua Majestade Imperial, Real e Apostólica Francisco José I, pela Graça de Deus, Imperador da Áustria, Rei da Hungria, Rei da Boémia, Rei de Lombardo-Vêneto, de Dalmácia, Croácia, Eslovênia, Galícia, Lodoméria e Ilíria; Rei de Jerusalém, Arquiduque da Áustria, Grão-Duque de Toscana e Cracóvia, Duque de Lorena e Salzburgo, de Estíria, Caríntia, Carníola e Bucovina; Grão-príncipe da Transilvânia; marquês da Morávia; Duque da Alta e da Baixa Silésia, de Módena, Parma e Placência e Guastalla, de Auschwitz, Zator e Teschen, Friul, Ragusa e Zara; conde de Habsburgo e Tirol, de Ciburgo, Gorízia e Gradisca; Príncipe de Trento e Brixen; marquês da Alta e da Baixa Lusácia e da Ístria; Conde de Hohenems, Feldkirch, Bregenz, Sonnenberg; Senhor de Trieste, de Cattaro, e de Marca Wendia; Grão Voivoda da Sérvia.

Apesar do grande número de títulos, o imperador era uma pessoa relativamente simples, de hábitos regrados,  o que não significou que abdicasse das formalidades e da tradição que sua posição exigia no contexto social da época. Considerava-se como um defensor da tradição da renomada Casa de Habsburgo e restabeleceu a ordem no império, restaurando o domínio da Áustria na Confederação Germânica. Seu reinado durou 68 anos, sendo o terceiro mais longo na história da Europa.

leopold-maximilian-von-firmian

O bispo de Trento, Leopoldo Maximilian von Firmian, que batizou o futuro imperador Francisco José.

Levando em conta o contexto histórico do Império Austro-húngaro, onde eram falados vários idiomas, o aspecto linguístico não é suficiente para definir a nacionalidade. Até 1918, um austríaco poderia ser de língua materna alemã, italiana, tcheca, eslovena, polonesa, entre outras. Um exemplo claro é a realidade do Tirol, com tiroleses de língua alemã, ladina e italiana, todos de nacionalidade austríaca.

reisepass

Passaporte de imigrante austríaco do Tirol estabelecido em Santa Teresa, ES.

No caso dos imigrantes tiroleses chegados ao Brasil a partir de 1859, isso fica evidente. Sobre a opinião política dos imigrantes tiroleses (trentinos) nas colônias do Brasil, Azzi (1990, p. 65), afirma:

“Havia simpatia natural pelo Império Austríaco, cuja orientação política se afinava melhor com as diretrizes marcadamente conservadoras da Santa Sé”.

O apego ao império e à Igreja fica bem evidente em um poema de 1903, escrito em homenagem ao cônsul austríaco Carlo Bertoni, quando este visitou a Colônia Rio dos Cedros, fundada a partir do núcleo colonial de Blumenau e habitada quase que exclusivamente por tiroleses da região de Trento. Ao chegar à colônia, o cônsul foi recebido com festa pela população, pois o diplomata representava o governo do Imperador Francisco José. O momento de maior destaque parece ter sido o discurso de recepção feito pela pequena Ottilia Agostini, então com apenas seis anos de idade, que recitou o poema escrito pelo professor da comunidade, Vergilio Campestrini:

 

fj

Retrato do imperador no museu dedicado à imigração no bairro Santa Olímpia (Colônia Tirolesa de Piracicaba), antiga residência da família Stenico.

O respeito pela figura do imperador austríaco se sentia também entre os imigrantes de língua alemã da Boêmia (atual Rep. Tcheca) que se estabeleceram principalmente em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.

Eccelenza, Console Austriaco, Carlo Bertoni!

 Noi siam nati in strani lidi
Dagli Austriaci genitor
E sapiam che noi siam figli
D’una Patria e d’un Signor
.Ce lo dicon babbo e mamma
Che il destin qui li riduce,
Nostra Patria è giù lontana
E’ lontana, è nel Tirol
.

La son nati gli avi nostri
Là sepolti negli avel,
Nel Tirolo son rimasti
Ancor vivi genitor

Quando entriamo nella scuola
Per la grazia del Signor
Figli attenti alla parola
Dice il Padre dell’amor.

Di Europa in continente
Nel suo seno l’Austria stà
Amplo è il regno e colta gente
Ricco il suolo d’ammenità.

L’Austria abbonda di miniero
Di granaglie, frutta e fior,
L’Austria Impero, è un bel paese
Dove pace regna ognor.

Città grande in piano colle
S’erge Viena d’Austria Impero
Viena antica è capitale
Dell’antico e vasto regno.

E noi tutti ti preghiamo
Ò Eccelenza qui venuto,
Ci annunzierai un pio saluto
A Sua Maestà, l’Imperator.

Nascemos em paragens estrangeiras
De genitores Austríacos
E sabemos que somos filhos
De uma Pátria e de um Senhor.Isso nos dizem papai e mamãe
Que o destino para cá os trouxe,
Nossa Pátria está longe,
está longe, é no Tirol.

Lá nasceram nossos antepassados
Lá estão sepultados na terra,
No Tirol permaneceram
Ainda vivos os pais.

Quando entramos na escola
Pela graça do Senhor
Filhos atentos à palavra
Diz-nos o Pai do amor.

No continente da Europa
No seu centro a Áustria está
Amplo o reino e culta a gente
Rico o solo de variedades.

A Áustria abunda de minério
De grãos, frutos e flores,
A Áustria Império é um belo país
Onde reina eterna paz.

Cidade grande em plaina colina
Ergue-se Viena da Áustria Império
Viena antiga é capital
Do antigo e vasto reino.

E nós todos te pedimos,
É Excelência aqui vindo
Anunciarás uma carinhosa saudação
A Sua Majestade, o Imperador.

 

sociedade-boema-sao-bento-do-sul

Boemos da Sociedade Austro-húngara de São Bento do Sul, SC.

 

linha-6-oeste-ijui-rs

Boemos comemoram o imperador. Colônia Ijuí, RS.

 

boemos-ijui-rs

Boemos comemoram o aniversário do imperador em 1906. Colônia Ijuí, RS.

Anúncios

6 comentários sobre “1916 – 2016: recordando o imperador

  1. Se ainda há algum representante da tradicional família STENICO ou STENEC, gostaria muito de poder estabelecer contato, com vistas a recuperar informações genealógicas.

    Curtir

  2. Fenomenal o conteúdo deste Blog. Meus avós, Armelindo Vendemiatti e Ignez Vitti Vendemiatti, viveram no Bairro de Santana em Piracicaba porém nunca tive contato com as histórias mais longínquas da família. Parabenizo-os pela dedicação e agradeço por compartilhar e eternizar estas histórias.

    Curtir

  3. Bom dia! Parabéns pelo site! Eu estou pesquisando agora sobre os meus antepassados e descobri uma história muito interessante. O meu tataravô era Benjamin Sartori e era filho de judeus. Ele nasceu em Casotto, Vincenza, Italia. Mas o curioso é que veio para o Brasil no século XIX como vice-cônsul Austríaco, inclusive nomeado pelo imperador Francisco José I. Casotto fica bem na divisa entre o Vêneto e a região do Tirol, que antes pertencia à Austria. As vezes fico me perguntando, que coisa mais engraçada ele ter nascido em território italiano, mas que fica bem na divisa com essa região que era austríaca, e ter sido nomeado vice-cônsul austríaco. Bom, vocês tem alguma informação sobre os judeus daquela época? Obrigada!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Sensacional este seu depoimento NathSartori. Tentarei fazer algumas considerações, mas posso pecar um pouco pela falta de precisão. Casotto e Pedemonte pertenciam ao Tirol e ao território da atual Província de Trento desde a demarcação da Região há séculos. Passou a pertencer a Região do Vêneto apenas anos depois do período pós-guerra, sendo posterior sua anexação ao Vêneto (1929) do que a anexação do território do Tirol do Sul à Itália (1923). Desse modo, por ter vindo antes da anexação é evidente que se trata de um cidadão austríaco, nascido em território austríaco e portanto representante consular da Áustria no Brasil. Hoje esses dois municípios pertencem ao Vêneto e à Itália, mas nem sempre foi assim. Achei sensacional a sua história. Gostaria muito de saber aonde seu tataravô se instalou aqui no Brasil, pois tenho estudado algumas coisas mais específicas sobre essa região e seu depoimento poderá ajudar bastante na elucidação de algumas questões… email: gustavobaretieri@hotmail.com . Quanto a questão dos judeus, infelizmente pouco posso ajudar. Por ora, é isso. Bons estudos e aguardo seu contato.
    Att,
    Gustavo Baretieri.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Prezada Nath Sartori:
    muitos austríacos eram de religião hebraica e viviam em várias regiões do antigo Império da Áustria-Hungria. Muitíssimos serviram no exército austríaco durante a Primeira Guerra Mundial.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s