Imigração austríaca no Brasil

Prof. Dr. Everton Altmayer

brasil-austria

Um dos principais objetivos do Blog Tiroleses no Brasil – talvez o mais relevante de todos – é o compromisso com fatos históricos no que se refere à imigração de tiroleses no Brasil. Neste texto introdutório, pretendemos passar uma noção básica sobre a imigração austríaca no Brasil.

Selo Sociedade Austro-húngara no BrasilVerdade histórica é aquela feita a partir de fatos históricos: documentos e, por vezes, depoimentos de quem vivenciou fatos. Nesse sentido, o intuito principal deste texto é tratar da imigração austríaca e de seus aspectos culturais, valorizando a identidade dos imigrantes e, na medida do possível, confrontando a realidade documentada dos imigrantes com aquela (por vezes) reelaborada pelos descendentes. Como temos demonstrado em nossos textos, a imigração austríaca no Brasil (que ultrapassa o número de 64.500 imigrantes) é ainda muito pouco discutida se comparada a outras imigrações – como a alemã ou a italiana. Sua contribuição é muito relevante para a história do Brasil e para a sociedade brasileira, mas, não poucas vezes, ela é simplesmente desconsiderada por alguns pesquisadores ou – pior – renegada.

 

A chegada da arquiduquesa austríaca (e primeira imperatriz do Brasil) Leopoldina de Habsburgo foi extremamente importante para o processo migratório de europeus para o nosso país. De 1824 até 1938, quase 70 mil imigrantes austríacos entraram no Brasil.

 

Os imigrantes chegados até 1918 eram de diversas regiões do Império Austríaco, unido ao Reino da Hungria, eram de diferentes etnias, falavam diversas línguas e professavam diferentes religiões. Mas eram de nacionalidade e identidade austríacas, porque “ser austríaco” não significava somente “ser de etnia alemã” ou “falar alemão”. A Áustria era um mosaico rico de povos e culturas. E a nacionalidade austríaca dos imigrantes se comprova não apenas com dados presentes em seus passaportes, mas na cultura que eles manifestavam em fatos de seu cotidiano, registrados muitas vezes por jornais da época ou ainda presentes na memória dos descendentes.

 

Por isso, a necessidade de um compromisso com a verdade histórica, para que sejam feitas pesquisas honestas sobre a imigração austríaca para o Brasil. Os imigrantes do Império Austríaco falavam os idiomas alemão, italiano, esloveno, checo, eslovaco, polonês, ucraniano e croata e vieram das seguintes regiões:

 

 

Austria-Hungria

Territórios da Áustria e da Hungria até 1918.

 

Temos visto que algumas “pesquisas” simplesmente omitem essa realidade histórica, social e cultural, enquadrando os imigrantes da Áustria em outros contextos migratórios. Vemos, por exemplo, que imigrantes tiroleses da região trentina (austríacos de língua italiana) aparecem como “imigrantes italianos”, aqueles da Boêmia (austríacos de língua alemã) são indicados como “imigrantes alemães” e os da Galícia (austríacos de língua polonesa) se tornam “imigrantes poloneses”. Do ponto de vista étnico, não seria um equívoco total (haja vista a complexidade do contexto), mas omitir a nacionalidade dos imigrantes é, no mínimo, um descuido grosseiro.

 

Tal constatação não é de hoje. Em um documento datado de primeiro de março de 1904, o cônsul austríaco em São Paulo se lamentava da seguinte maneira:

 

“Aproveito esta ocasião para chamar a atenção de V. Excia. sobre um aspecto que, em meu modo de ver, é uma falta capaz de dar ao processo de imigração uma aparência muito contraditória à realidade. Refiro-me aos casos, por mim observado tantas vezes, nos quais súditos austríacos conhecedores da língua alemã ou italiana aparecem nas estatísticas como súditos alemães [do Império Alemão] e italianos [do Reino da Itália]”.

 

Atualmente, a Áustria é uma democracia representativa parlamentar composta por nove estados federais: Viena (Wien – com a capital austríaca) Alta Áustria (Oberösterreich) Baixa Áustria (Niederösterreich) Burgenland Caríntia (Kärnten) Estíria (Steiermark) Salzburgo (Salzburg) Tirol (corresponde à porção norte da região histórica do Tirol) e Vorarlberg.

 

 

austria hoje

A atual República da Áustria.

 

 

“Mas quais são os motivos pelos quais os emigrantes do Império Austro-Húngaro geralmente não são mencionados nas publicações sobre as migrações, embora esse império contasse entre as nações européias nas quais a emigração, entre 1880 e 1918, se transformou num ‘movimento de massas’? O que significava ‘Áustria’, antes de 1918, em termos de território e cultura? O Império Austro-Húngaro era multiétnico e multicultural. Essa heterogeneidade não significava uma “vizinhança” entre culturas nacionais; as fronteiras étnicas não correspondiam exatamente às linguísticas e às territoriais. Elas estavam entrelaçadas entre si, interpenetravam-se umas com as outras – mormente nos centros urbanos”.

(Prutsch, 2011: 5)

 

Linguas imperio

Línguas do Império Austro-Húngaro.

 

Austríacos de língua italiana:

 

Rio_dos_Cedros_14

Em Rio dos Cedros/SC

A população italiana no Império Austríaco era significativa e habitava parte da área alpina e do Litoral Austríaco, onde convivia com demais austríacos de língua alemã e eslava (eslovenos e croatas).

Vários são os documentos e depoimentos que demonstram a identidade austríaca dos imigrantes de língua italiana do Tirol, ou da região de Gorícia e Trieste.

Sem dúvida, os austríacos de língua italiana constituem o maior grupo de imigrantes austríacos estabelecidos no Brasil, cujo número de descendentes é bastante expressivo, principalmente nas regiões Sudeste e Sul. Desde o Espírito Santo até o Rio Grande do Sul, vivem milhares de descendentes de imigrantes austríacos de língua italiana, em sua maioria tiroleses da região trentina (Tirol Italiano).

 

Trentino Austria

Santinho de falecimento de imigrante tirolês.

 

Um documento significativo sobre a identidade dos imigrantes austríacos de língua italiana é um poema escrito no ano de 1903 para homenagear a visita do cônsul austríaco às comunidades de Rio dos Cedros e Tiroleses (atualmente em Timbó), no estado de Santa Catarina:

 

Eccelenza, Console austriaco,

Carlo Bertoni!

 

Noi siam nati in strani lidi

Dagli Austriaci genitor

E sapiam che noi siam figli

D’una Patria e d’un Signor,

 

Ce lo dicon babbo e mamma

Che il destin qui li riduce,

Nostra Patria è giù lontana

E’ lontana, è nel Tirol

 

La son nati gli avi nostri

Là sepolti negli avel,

Nel Tirolo son rimasti

Ancor vivi genitor

 

Quando entriamo nella scuola

Per la grazia del Signor

Figli attenti alla parola

Dice il Padre dell’amor.

 

Di Europa in continente

Nel suo seno l’Austria stà

Amplo è il regno e colta gente

Ricco il suolo d’ammenità.

 

L’Austria abbonda di miniero

Di granaglie, frutta e fior,

L’Austria Impero, è un bel paese

Dove pace regna onor.

 

Città grande in piano colle

S’erge Viena d’Austria Impero

Viena antica è capitale

Dell’antico e vasto regno.

 

E noi tutti ti preghiamo

Ò Eccelenza qui venuto,

Ci annunzierai un pio saluto

A Sua Maestà, l’Imperator.

Excelência, Cônsul austríaco,

Carlo Bertoni!

 

Nascemos em terras estrangeiras

De genitores Austríacos

E sabemos que somos filhos

De uma Pátria e de um Senhor.

 

Isso nos dizem papai e mamãe

Que o destino para cá os trouxe,

Nossa Pátria está longe,

está longe, é no Tirol.

 

Lá nasceram nossos antepassados

Lá estão sepultados na terra,

No Tirol permaneceram

Ainda vivos os pais.

 

Quando entramos na escola

Pela graça do Senhor

Filhos atentos à palavra

Diz-nos o Pai do amor.

 

No continente da Europa

No seu centro a Áustria está

Amplo o reino e culta a gente

Rico o solo de variedades.

 

A Áustria abunda de minério

De grãos, frutos e flores,

A Áustria Império é um belo país

Onde reina eterna paz.

 

Cidade grande em plaina colina

Ergue-se Viena da Áustria Império

Viena antiga é capital

Do antigo e vasto reino.

 

E nós todos te pedimos,

É Excelência aqui vindo

Anunciarás uma carinhosa saudação

A Sua Majestade, o Imperador.

 

Lega Austriaco Brasiliana di Rodeio SC

Dos austríacos de língua italiana provenientes do Tirol, uma parte seguiu para as fazendas de café da então província de São Paulo, ao passo que outros seguiram para as áreas coloniais do Sul. Em Santa Catarina, os tiroleses se instalaram na Colônia Blumenau, no Vale do Itajaí, onde fundaram, em 1875, Rodeio e Rio dos Cedros (à qual se juntava a comunidade de Tiroleses, hoje em Timbó) e na Colônia Príncipe Dom Pedro (região de Brusque), onde fundaram, em 1875, Nova Trento e a pequena comunidade de Lageado, em Guabiruba. Em 1909, fundava-se na comunidade de Rodeio (então município de Blumenau) a Liga Austro-Brasileira.

No Paraná, a única comunidade fundada por austríacos de língua italiana é Santa Maria do Novo Tirol, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Iniciada em 1878, a colônia também recebeu imigrantes italianos e prosperou até o início do século XX, quando o êxodo rural diminuiu drasticamente o número de moradores.

 

Santa Maria do Novo Tyrol - Placa imigração

Placa sobre a procedência dos imigrantes da Colônia Novo Tirol.

 

Na Serra Gaúcha, os imigrantes austríacos se instalaram principalmente a partir de 1875 nas colônias Conde D’Eu, Dona Isabel e Caxias, região das atuais cidades de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Garibaldi e Flores da Cunha (outrora chamada Nova Trento).

 

Site Serra Gaúcha

Site da Serra Gaúcha, indicando a presença de austríacos.

 

Fundada entre 1892 e 1893, a Colônia Tirolesa de Piracicaba, no estado de São Paulo, é formada pelos bairros Santana e Santa Olímpia. Ambas as comunidades sempre demonstraram forte apego à identidade dos imigrantes austríacos que se estabeleceram no interior paulista.

Em 1977, a comunidade de Santana organizou uma grande festa para recordar o centenário da chegada da família Vitti ao Brasil, na qual foi convidado o cônsul da Áustria em São Paulo, bem como autoridades locais. Também a comunidade de Santa Olímpia recordou o centenário da fundação do bairro com as bandeiras do Brasil e da Áustria.

 

Santana 1979 2

1979. Grupos folclóricos de Santana e Santa Olímpia (Piracicaba/SP) com a bandeira da Áustria.

 

santa olimpia 1992

Festa do centenário em Santa Olímpia (Piracicaba/SP). Bandeiras do Brasil e da Áustria.

 

igreja dos frades piracicabaEm 1893, iniciava-se em Piracicaba a construção da igreja dos frades capuchinhos (franciscanos). Dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, o templo religioso é conhecido como “Igreja dos Frades” e sua história está intimamente ligada à imigração austríaca no Brasil. O projeto ficou a encargo do arquiteto S. Madein, natural do Tirol, e a festa de inauguração contou, inclusive, com a presença do cônsul da Áustria. Um dos momentos memoráveis da festa de inauguração foi a execução do hino imperial austríaco pelos imigrantes tiroleses que transformaram o evento em uma típica “festa tirolesa”, com cantos de sua terra de origem.

Franz Joseph - Ferencz Juzsef

O retrato do imperador austríaco Francisco José estava presente nas casas de vários imigrantes tiroleses. Alguns mascates que circulavam pelas colônias europeias vendiam retratos dos monarcas europeus.

 

Uma publicação relevante da comunidade austríaca no Brasil (principalmente dos austríacos de língua italiana) era o jornal Il Trentino, editado e publicado em Porto Alegre/RS a partir de 1915. O jornal publicava textos em italiano, português e alemão e foi publicado até 1917, quando seu nome é mudado para Áustria Nova, mas não chegou a durar por muitos anos.

 

Jornal Il trentino tiratura

Detalhe da tiragem do jornal austro-brasileiro Il Trentino (1917).

 

 

Austríacos de língua alemã:

 

Assim como entre os imigrantes tiroleses e triestinos, vários documentos e depoimentos demonstram a identidade austríaca dos imigrantes de língua alemã saídos das regiões que compõem os atuais nove estados da República Austríaca, assim como do Tirol Meridional, da Boêmia (atual República Checa), de Trieste, da região da Carníola (atual Eslovênia) e da Bucovina (atualmente entre a Romênia e a Ucrânia).

 

Santa LeopoldinaEmbora a presença de imigrantes austríacos de língua alemã seja registrada desde 1824, a primeira colônia austríaca do Brasil é a pequena Colônia Tirol (Dorf Tirol), fundada em 1859 por tiroleses de língua alemã no território da antiga colônia imperial de Santa Leopoldina, atualmente no homônimo município capixaba. Aos austríacos, juntaram-se imigrantes alemães, suíços, luxemburgueses e holandeses. Todavia, na comunidade tirolesa, a memória da imigração austríaca ainda é viva entre os descendentes de tiroleses.

 

Colonia Tirol S. Leopoldina ES

Colônia Tirol em Santa Leopoldina/ES.

 

O jesuíta Teodoro Amstad registrou a comunidade de Novo Tirol no vale do Rio Caí, atualmente no município gaúcho de Nova Petrópolis. Fundada muito provavelmente entre 1873-74 por tiroleses de língua alemã (ou bilíngues) vindos do Tirol Meridional, a comunidade se inseriu na realidade da maioria dos imigrantes alemães. O acesso até Linha Temerária é feito através da Rua Tirol.

 

A identidade austríaca dos imigrantes boêmios se faz notar no nome da Colônia Nova Áustria (Neu Österreich), fundada em 1873 na região de Paverama, no Rio Grande do Sul.

 

 

No Brasil, os imigrantes da Boêmia mantinham algumas sociedades recreativas austríacas. Havia, por exemplo, a Sociedade Austro-Húngara de Jaguari, no Rio Grande do Sul, fundada no final do século XIX por imigrantes da Boêmia.

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Imigrantes boêmios, membros da Sociedade Austro-Húngara de Jaguari/RS. Na foto, vemos o retrato do imperador Francisco José de Habsburgo, a bandeira imperial (com as cores amarela e preta) e um livro que provavelmente é o estatuto da entidade.

 

Em 1893, cerca de 50 famílias de imigrantes austríacos de língua alemã se instalaram na Linha 6 Leste, em Ijuí, no Rio Grande do Sul. Boa parte desses imigrantes era originária da Boêmia.

 

Austriacos Ijuí

Comunidade austríaca de Ijuí/RS.

 

Centro Cultural Austríaco Ijuí

Centro Cultural Austríaco de Ijuí/SC.

 

Imigrantes da Boêmia também se estabeleceram na cidade catarinense de São Bento do Sul e ali fundaram, entre 1895 e 1898, a Sociedade Auxiliadora Austro-Húngara. O principal motivo da criação de uma sociedade austríaca naquela cidade era o clima de disputa com os colonos alemães, uma vez que estes haviam fundado, em 1895, uma sociedade de atiradores com membros das guerras de 1864-1866, na qual os prussianos combateram contra os austríacos.

 

sociedade austro-hungara

Imigrantes da Boêmia, membros da Sociedade Austro-Húngara de São Bento do Sul/SC, com o retrato do imperador Francisco José de Habsburgo. Não foi possível identificar a bandeira.

 

Na região austríaca da Bucovina, a população era composta principalmente por romenos, ucranianos e alemães. Estes últimos, eram, na realidade, descendentes de colonos saídos da Boêmia no início do século XIX para povoarem os confins do império. Bucovinos de língua alemã imigraram para o Brasil entre 1877 e 1878 e se estabeleceram principalmente nas cidades de Rio Negro e Lapa (Colônias Johannesdorf/São João e Marienthal), no Paraná, Mafra (Colônia Imbuial) e Itaiópolis (Colônia Lucena), em Santa Catarina. Um pequeno grupo de bucovinos saiu de Rio Negro e se estabeleceu na região catarinense de Canoinhas.

 

Bucovinos 1887 1937 Rio Negro

Cartaz do cinquentenário da imigração austríaca em Rio Negro/PR.

 

No Brasil, os imigrantes bucovinos que se estabeleceram em Rio Negro receberam assistência do cônsul austríaco Dr. Okeki. Em 1898, por ocasião do cinquentenário do reinado do imperador Francisco José de Habsburgo, cada imigrante que servira o exército austríaco na Bucovina recebeu do consulado uma medalha de ouro e um retrato do imperador. Quando a construção da igreja matriz de Rio Negro foi concluída, Francisco José enviou uma soma em dinheiro para os colonos bucovinos.

 

Franz Joseph von Habsburg

O retrato do imperador austríaco recebido pelos imigrantes da Bucovina esteve presente em várias casas de Rio Negro/PR.

 

A identidade austríaca está muito presente no cotidiano da cidade catarinense de Treze Tílias, a mais nova colônia de imigrantes austríacos no Brasil, fundada em 1933 por Andreas Thaler, ex-ministro da agricultura da Áustria.

Thaler Andeas

Thaler planejou uma imigração prevendo que, após a Primeira Guerra, com o fim do Império Austríaco e as disputas étnicas e políticas causadas pelas mudanças nas fronteiras nacionais, muito provavelmente um outro conflito ainda mais sangrento devastaria a Europa. Thaler circulou pela América do Sul antes de escolher o lugar onde estabeleceria a nova colônia, procurando se informar sobre a qualidade de água e do solo, bem como sobre as taxas de mortalidade infantil das áreas que visitou. O local escolhido foi o meio oeste catarinense, para onde liderou uma imigração organizada e composta por pessoas com as mais diversas profissões. A imigração foi feita em parceria com os governos austríaco e brasileiro, de modo que a estrutura da colônia era bastante avançada já nos primeiros anos, o que não impediu diversas dificuldades, sobretudo após a morte precoce de seu líder, ocorrida acidentalmente durante uma enchente.

 

Josef Grander 1955 Fähnrich

Treze Tílias (1955). O imigrante Josef Grander, usando um traje típico tirolês e com a bandeira austríaca figurando a águia bicéfala, símbolo imperial. Uma comitiva da colônia Dreizehnlinden se fez presente no Congresso Eucarístico realizado no Rio de Janeiro.

 

Inicialmente, Thaler pensou em batizar a colônia austríaca com o nome Neu Tirol (“Novo Tirol”), mas soube que já havia outras comunidades no Brasil chamadas “Tirol” (como Dorf Tirol no Espírito Santo, Linha Tirol no Rio Grande do Sul e Santa Maria do Novo Tirol no Paraná). Chegando ao Brasil, seu filho Andrä lhe presenteou com um livro comprado no Rio de Janeiro, uma obra épica do escritor alemão Friedrich Wilhelm Weber chamada Die Dreizehnlinden (“As treze tílias”). Após a leitura feita durante o trajeto até Santa Catarina, Andreas Thaler se inspirou no conteúdo da obra e decidiu chamar a nova colônia austríaca com o nome Dreizehnlinden. Durante a Segunda Guerra, com a repressão do governo brasileiro, a comunidade foi rebatizada com o nome Papuan (de um rio local) e, posteriormente, com a tradução do nome original da colônia: Treze Tílias.

 

 

Em 1921, um pequeno grupo de imigrantes da região de Vorarlberg se estabeleceu na cidade paulista de Itararé, onde fundaram a Colônia Áustria, na área conhecida como Bairro da Seda.

 

Austriacos Itarare

1933. AVisita do cônsul austríaco, Theodor Putz (ao centro, de chapéu) à Colônia Áustria, em Itararé/SP.

 

Após a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918), com o fim do Império Austro-Húngaro, um número considerável de austríacos emigrou para o Brasil, estabelecendo-se (às vezes juntamente com imigrantes alemães) nas regiões Sudeste e Sul. Também suábios do Danúbio (Donauschwaben), que habitavam a região do Banato, pertencente ao Reino da Hungria, formaram uma próspera comunidade em Entre Rios, no Paraná.

 

Imigrantes austríacos de língua polonesa e ucraniana

 

Boa parte dos imigrantes de língua polonesa no Paraná era de nacionalidade austríaca. Havia, também, austríacos de língua ucraniana que, assim como os poloneses, entraram no Brasil com documentação do Império Austríaco.

 

Passaporte polones Imperio Austriaco

Passaporte de imigrante austríaco da Galícia.

 

Entre 1895 e 1897, entraram no Brasil aproximadamente 20 mil austríacos de língua ucraniana, todos originários da região austríaca da Galícia.  Em meados de 1890, a população na região era de 4 milhões e 300 mil habitantes. Uma população multiétnica, que falava vários idiomas e professava diferentes religiões: 65% eram ucranianos, 15% eram poloneses, 12% judeus asquenazitas (falantes do alemão ídiche) e 8% alemães. Havia católicos romanos, católicos de rito bizantino, católicos ortodoxos, protestantes (luteranos) e judeus. Estima-se que, até 1918, cerca de 45 mil imigrantes ucranianos de nacionalidade austríaca e russa entraram no Brasil.

Ucranianos Imigrantes

Imigrantes de língua ucraniana durante cerimônia religiosa bizantina.

 

O Brasil também recebeu milhares de imigrantes prussianos de língua polonesa, saídos da Silésia alemã, bem como ucranianos de nacionalidade russa. O Reino da Polônia (já aliado do Império Austríaco contra a invasão otomana no século XVI) findou em meados de 1700 e seu território foi dividido entre as potências monárquicas da época: o Império Austríaco, o Reino da Prússia e o Império Russo. Durante a Primeira Guerra Mundial, muitos foram os soldados poloneses do exército austríaco, inclusive o pai do Papa João Paulo II, que batizou seu filho com o nome de Karol em homenagem ao último imperador austríaco, o beato Carlos de Habsburgo (em alemão, Karl von Habsburg; em italiano, Carlo d’Asburgo; em polonês, Karol Habsburg).

 

Kaiser Karl

Carlos de Habsburgo, último imperador da Áustria-Hungria.

 

 

Austríacos de língua eslovena e croatas

A região da Carníola esteve unida à Áustria desde a Idade Média até o final da Primeira Guerra Mundial. A região croata esteve unida ao domínio dos Habsburgo de 1526 a 1918, mas seu território fazia parte do Reino da Hungria.

 

Passaporte croata Imperio Austro Hungaro

Passaporte austro-húngaro em língua croata.

 

Austríacos, portanto?

Acreditamos que seja necessário – e uma questão de justiça histórica – conhecer melhor a realidade da imigração austríaca no Brasil, haja vista que muitas pesquisas simplesmente omitem fatos essenciais como a nacionalidade (ou a identidade nacional) de imigrantes vindos de certas regiões do antigo Império Austríaco, classificando-os simplesmente com base no idioma que falavam. Tal “reducionismo” empobrece as pesquisas, causa confusões (por vezes inúteis) e não dá o devido valor à contribuição social e cultural da imigração austríaca no Brasil.

A realidade do Império Austro-Húngaro era complexa porque não se tratava de um território composto por uma só etnia. Não se falava um idioma apenas, pois cada povo tinha direito ao uso de seu idioma e à profissão de sua crença.

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Cédula monetária de 20 coroas. Embaixo, vemos o valor indicado nas várias línguas do Império Austro-Húngaro.

 

Com muito trabalho, os imigrantes austríacos transferiram para nosso país seu saber, sua cultura musical, arquitetônica e artística, bem como sua culinária e sua mentalidade. Eles merecem o mesmo reconhecimento e respeito dado aos demais imigrantes que fizeram do Brasil sua nova pátria.

 


Bibliografia consultada:

Celestino, Ayrton Gonçalves. Os bucovinos do Brasil e a história de Rio Negro. Curitiba: Torre de papel, 2002.

Dreier, Werner. Colônia Áustria, Bairro da Seda – Vorarlberger Auswanderer nach Brasilien. Bregenz: VAG, 1996.

Prutsch, Ursula. A imigração de austríacos para o Brasil. (libreto informativo) Brasília, Embaixada da Áustria para o Brasil, 2011.

 

Sites consultados:

http://migrepolones.blogspot.com.br

https://saobentonopassado.wordpress.com

http://ijuisuahistoriaesuagente.blogspot.com.br

http://www2.vol.at/vlbgbrazil

https://sorotiuk.wordpress.com/comunidade-ucraniana

Anúncios

24 comentários sobre “Imigração austríaca no Brasil

  1. Bom dia
    Meu Tataravô e esposa natural de Vilesse, Gorizia, Italia, chegaram ao Brasil em 31-12-1890 com seus filhos, um deles meu bisavô, que na época tinha 08 anos. A região fazia parte do Império Austro-Hungaro.
    Pergunto:
    EU, como descendente, não tenho direito a nenhuma nacionalidade, Austríaca, Hungara e Italiana? Me sinto um sem Pátria pelo meus antepassados.

    Obs. Muito bom os textos sobre a história do Povo Tirolês, é por aqui que estou conhecendo muito da história de meus familiares.

    Att,
    Alexandre Camargo
    alcambrasil@hotmail.com

    Curtir

    • Prezado Alexandre,

      a resposta curta e direta: não, você não tem.

      Não tem direito à nacionalidade austríaca, pois a atual República da Áustria não reconhece a dupla cidadania a descendentes de austríacos do antigo Império (até mesmo por motivos ligados ao Tratado de Saint-Germain, pós-Primeira Guerra).

      Obter cidadania húngara não faria sentido, uma vez que, embora se convencione chamar a antiga pátria dos nossos ancestrais de Império Austro-Húngaro, o Império Austríaco e o Reino da Hungria eram praticamente países separados que compartilhavam o monarca (Imperador da Áustria e Rei da Hungria), o exército e pouco mais. Assim, seus antepassados eram cidadãos austríacos, mas não húngaros, de forma que não faria sentido você obtê-la.

      Quanto à cidadania italiana, no ano 2000, a Itália passou uma lei possibilitando aos descendentes de emigrantes de regiões que passaram para a Itália após a Primeira Guerra (por exemplo, a parte sul do Tirol, além de Trieste e Gorizia) solicitar a dupla-cidadania italiana. No entanto, essa lei tinha um prazo para que esse pedido fosse feito, e esse prazo se esgotou em 2010. Não há previsão de que esse procedimento seja reaberto.

      Em suma, você não tem direito nem à cidadania austríaca, nem húngara, nem italiana. No entanto, você não é um “sem-pátria” pois possui a cidadania brasileira, da pátria que seus antepassados escolheram para chamar de sua.

      Curtir

  2. Bom dia.
    Meus bisavô FRANZ WANDER, nasceu em 23-06-1822, pelos relatos na região de Henersdorf Gablons, Osterreich e vieram para o Brasil em 1873, se estabelecendo no sétimo distrito de cachoeira do Sul, Gostaria de adquirir mais dados dos meus antepassados e saber onde ficam os registros de entrada no pais, daqueles que vieram para o RS?
    Esta região do nascimento do meu bisavô pertence realmente a Áustria, Sei que falavam e escreviam alemão perfeitamente ate a geração de meus pais.
    Agradeço muito a atenção de vocês.

    att,
    Simone Wander

    Curtir

  3. Bom dia.
    A família do meu marido, por parte da mãe, são descentes dos Altenburg da Áustria. Uma parte que saiu da Áustria, foram pra Alemanha e chegaram ao Sul do Brasil. Você saberia me indicar um blog ou site onde posso encontrar possíveis descendentes dessa família?
    Obrigada.
    Gleise Kochem

    Curtir

  4. BOA TARDE,A FAMILIA DE MEU PAI E PUCH,CONSEQUENTEMENTE MEU BISAVÔ VEIO DA AUSTRIA PARA O BRASIL ENTRE OS ANOS DE 1900 A 1909.FALVA LINGUA ALEMÃ E VEWIO DE VIENA NA AUSTRIA. GOSTARIA DE SABER ALGUEM PARA CONTATO.OBRIGDA.
    MARIA ANTONIA PUCH

    Curtir

  5. Muito agradecido por todas as informações, estou com 45 anos, gostaria muito de saber a história dos meus antepassados, comecei buscando as certidões de óbitos, meu bisavô veio da região de Trento com 10 anos em 1875 fiquei muito emocionado, estou indo a passeio para Itália e gostaria de visitar a região onde nasceu a minha origem só não sei onde buscar pode me ajudar??? Meu tataravô é Domingos Loss e meu bisavô Alexandre Loss,

    Curtir

    • Prezado Sr. Loss:
      O vale de origem da família Loss é o Primiero (em alemão, Primör). Para o Brasil veio um número considerável de tiroleses com o sobrenome Loss e eram desse belíssimo vale.
      Att.

      Curtir

  6. Leandro, meu nome é -Cristina, meu sobrenome de solteira é Chemin- Cemin-,minha bisavó paterna era maria fortunata Loss, filha de Giuseppe e Domenica Loss.Eram da Provincia de Trento, comunidade de Canal de San Bovo.Tenho uma cópia do registro de nascimento da bisa, e do casamento, se tiver interesse posso mandar pra você.Uso email do marido. ediloureiro@brturbo.com.br

    Curtir

    • Prezada Sra. Maria C. Chemin de Andrade:
      Na cópia do registro de nascimento consta “província de Trento”, mas no documento original constará “Provincia di Tirolo” ou algo semelhante, pois à época da emigração, os que partiam não se identificavam como trentinos, mas como tiroleses. A “identidade trentina” é uma reconstrução que teve início no Brasil a partir de 1975, ou seja, um século após a chegada dos imigrantes tiroleses.
      Att.

      Curtir

  7. Adorei ler esta matéria! Este Blog é muito enriquecedor, tanto para conhecer fatos dos imigrantes austríacos como também para informar-se sobre uma migracao que poucos desconhecem. Eu pessoalmente estive em Treze Tílias ano passado, e vi como a pequena cidade orugulha-se e esforca-se para levar a tradicao austríaca adiante. É fascinante o contexto de cultura e tradicao (ainda que um tema complexo!!).

    Parabéns pelo Blog mais uma vez!

    Sonnige Grüße aus Wien! 🙂

    Priscila R. D. Glaser

    Curtir

  8. Gostaria de saber se fosse possivel informação da Família Caspori…Guilherme Caspori e Bertna Caspori q vieram p Rio Grande do Sul por Volta de 1920….seus descentes…. depois vieram para Piratuba e Ipira Santa Catarina ficando aqui Augusta Caspori….eles eram da região q falava alemão….não sei informar a região certa…

    Curtir

    • Prezado Sr. Waldir do Prado:

      Sem saber de qual cidade eram os seus antepassados, fica difícil de saber se eram austríacos e, caso realmente o fossem, de qual província vieram. Muitas regiões que hoje estão na Itália eram austríacas e ali se falava tanto o italiano como o alemão (entre outras línguas e dialetos locais).

      Att.

      Curtir

  9. nao tenho muito contato com meu pai por isso nao conheco muito sobre meus antepassados mas o sobrenome dele é FRIEDL somos gaúchos gostaria de saber se existe algum dado sobre essa familia tipo onde que que se estabeleceram assim que chegaram ao RS mas pelo que pesquisei a grande maioria dos que tem esse sobrenome vivem na região do tirol.

    Curtir

    • Prezado Cassio:

      Para se ter certeza da origem de seu antepassado, será necessário buscar informações sobre a terra de origem dos imigrantes da família Friedl. Ainda que o nome seja difundido no Tirol, poderia ser de outra região de língua alemã na Europa.

      Att.

      Curtir

  10. Olá prezados!! Sou bisneto do ministro Andreas, de uma porção da família hoje situada em Campo Grande – Mato Grosso do Sul. Estamos inclusive, juntamente com os demais Thaler’s de Treze Tílias, confeccionando uma árvore genealógica da família (posso compartilhar depois se for do interesse).
    Agora uma dúvida que sempre tive em relação à família, é em questão à heráldica. Sabe me dizer se há algum brasão da família ou algo do tipo? Já pesquisei mas não encontrei nada… Caso saiba, podemos nos comunicar por email… att, abraços, e parabéns pelo trabalho!!!

    Curtir

  11. Olá, é bem difícil achar as origens austríacas. Estou tentando através dos cartórios, mas apesar de pedir certidões de inteiro teor, o avô do meu marido aparece como brasileiro vindo de Santa Catarina.Sendo que ele é austríaco, como consta de um microfilme muito danificado da antiga empresa Matarazzo aqui em São Paulo. Bem, gostaria de alguma orientação sobre o nome Schook, de listas de imigrantes que foram para Santa Catarina. Obrigada

    Curtir

  12. Boa noite.

    O meus bisavós são Austríacos (Família/Sobrenome – LEGAT), que chegaram no Brasil em 1911 através do Porto de Santos. Entretanto pelos registro de chegada consta que a origem deles foi da cidade de FONSTAF – Áustria , nome no qual eu não consegui localizar atualmente na Áustria. Alguém sabe me informar se houve algum erro de grafia na escrita da cidade (registro de chegada no Brasil) ou se a cidade mudou de nome?

    Curtir

  13. Boa noite !estive procurando os sobrenomes dos meus avos e minha bisavó e não o encontrei ,só sei q vieram da Áustria ,mas antes minha mãe diz q eles passaram pela Itália ,os nomes são Rose Kustyhak ,Adão Possavatz ,como teve erro na caligrafia ,eu não sei como se escreve kustiáca ,gostaria muito de saber mais sobre eles .

    Curtir

  14. Boa Noite!
    Estou procurando registros sobre meus antepassados mas não sei muito, por isso vim aqui. Meu sobrenome é “Tirolez” e após uma pesquisa eu cheguei a conclusão de que talvez ele seja proveniente do sobrenome Tirol, que é originário justamente da região entre a Áustria e Alemanha. Gostaria de saber se esse sobrenome é realmente originário desta localidade, uma vez que não consigo achar registro algum de imigrantes com meu sobrenome.
    Obrigada pela atenção, aguardo a resposta ansiosamente.

    Curtir

  15. Sr. Everton, parabéns pelo blog, muito esclarecedora a matéria sobre o assunto. Meu bisavô veio da região do Trentino Alto Ádige, mais precisamente de um “paese” chamado Bondo, menos de 100 km a sudoeste de Trento.. Tive a oportunidade de conhecer o lugar em 1990 quando encontrei pessoas da família Valenti. A época como não existia internet, Google e etc.minhas pesquisas foram todas “in loco”.
    Aos interessados em pesquisar seus antepassados, muito me ajudaram as Cúrias Metropolitanas de SP e a de Trento, onde pude encontrar informações valiosas. Hoje existem muito mais recursos e informações na internet, porém a igreja católica possui um grande acervo com registros de casamentos, batisados e etc. Há anos entrei com o pedido de cidadania junto ao consulado italiano com base na Lei 397/2000. Abcs

    Curtir

  16. Boa tarde. Estou surpreso por tanta informação e ao mesmo tempo triste pela minha ignorância até agora depois de ler esses fatos e ter conhecido um pouco da nossa historia. Sou descendente de italianos (parte de avô, Gargano) e austro-hungaros (parte da avó, Kovaes) mas sempre com muitas informação mais do lado italiano pela grande influencia paterna. Através do Memorial do Imigrante em São Paulo consegui a Certidão de Desembarque no Brasil da comitiva do meu bisavô austro-hungaro com chegada no porto de Santos em 04 de julho de 1.900. Posteriormente foram para o interior do estado trabalhar no cultivo do café. Meus avós se conheceram na região de Ribeirão Preto – SP e se casaram em 27 de setembro de 1.913.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s