Imigração austríaca do Tirol

Livro Imigracao austriaca

 

O Blog Tiroleses no Brasil tem o prazer de divulgar o livro Imigração austríaca do Tirol, de Gustavo Baretieri. Um livro sobre a origem da família Barater, que emigrou em 1876 saindo de Albarè, pequena localidade de Vallarsa/Brandtal, no Tirol Meridional, rumo ao Rio Grande do Sul. Um livro honesto do ponto de vista histórico e um importante registro sobre os imigrantes tiroleses falantes do alemão cimbro e do dialeto trentino.

Gustavo Baratieri é natural de Erechim, Rio Grande do Sul. É descendente de tiroleses e vênetos, como muitos gaúchos o são, filhos e netos de uma “mistura” de imigrantes estabelecidos na Serra Gaúcha no final do século XIX. Estudante de Direito e pesquisador por hobby de assuntos relacionados ao povo cimbro.

cimbros na Italia

Onde se fala cimbro na Itália.

O cimbro (al. Zimbrisch, cimbro Zimbar; it. cimbro) é um idioma germânico falado exclusivamente na Itália. Trata-se de um dialeto bávaro arcaico que preservas características medievais e ainda é falado pelos descendentes de antigos colonos germânicos que se transferiram para a península itálica após o século XI. Seus descendentes, falantes do cimbro, vivem em vilarejos de montanha no Tirol Meridional (Trento), parte do Vêneto e do Friúl. Por muito tempo, acreditou-se que os falantes desse idioma fossem descendentes do antigo povo cimbro, derrotado pelos romanos no século II a.C., cujas origens são ainda incertas sobre serem celtas ou germânicos. Com os estudos do linguista alemão Schmeller, por meio do método histórico-comparativo, comproovou-se que o cimbro é um dialeto bávaro antigo, que preservou várias características medievais e foi influenciado em vários aspectos, quer pelo dialeto vêneto, quer pelo dialeto trentino (dependendo da região onde é falado).

 

vallarsa

Antigo traje da Vallarsa/Brandtal e Vale do Leno/Leimtal.

 

Traje tipico Vallarsa

Compagnia Schützen de Vallarsa/Brandtal e Trambileno/Trumelays.

O objetivo principal do livro é resgatar o legado dos imigrantes da família Barater D’Albarè (it. Albaredo; al. Albiser), na Província Autônoma de Trento (Tirol Italiano). Os antepassados de Gustavo Baretieri eram de uma entre tantas famílias tirolesas saídas de Vallarsa (al. Brandtal) e de Vallagarina (al. Lagertal) e que se estabeleceram nas antigas Colônias Dona Isabel e Conde D’Eu (atual cidade de Bento Gonçalves) no Rio Grande do Sul.

O autor também tratou da história com informações importantes e “inéditas”, haja vista que, muitas vezes, os imigrantes tiroleses que se estabeleceram na Serra Gaúcha são considerados imigrantes italianos (pelo idioma que falavam). Por isso, o autor sentiu a necessidade de “desmitificar” certos estereótipos, como afirma na contracapa de seu livro:

“Esta obra surgiu da necessidade de retificar determinadas informações veiculadas a respeito da Imigração Austríaca do Tirol, erroneamente tratada como imigração italiana”.

Albaredo Vallarsa Cimbri

Vilarejo de Albaredo (Vallarsa)

A primeira parte do livro é dedicada à história da região tirolesa desde a Idade Média, com informações valiosas sobre o povoamento do Vale do Leno (it. Valle del Leno, al. Leimtal), de Vallarsa e dos planaltos “cimbros” no Vêneto (Sette Comuni e Tredici Comuni) com colonos vindos da Baviera e do Tirol setentrional. A segunda parte, maior e repleta de informações detalhadas, trata especificamente da família Barater e pretende ser uma retrospectiva desde as mais remotas origens do sobrenome e da região de origem, passando pelos anos da imigração até chegar aos descendentes que vivem no Brasil. Ao final do livro, vemos um interessante vocabulário do idioma cimbro, com as respectivas traduções em alemão e italiano.

As pesquisas contidas no livro contaram com a colaboração de pesquisadores brasileiros e europeus, como Carlos Henrique Nozari (Instituto Genealógico do RS), Everton Altmayer, Claudio Andreolli (Arquivo Diocesano de Trento), Sergio Bonato (Presidente do Instituto de cultura cimbra de Roana), Remigius Geiser (Universidade Paris Lodron de Salzburgo, Áustria) e Oliver Baumann (Universidade de Frankfurt, Alemanha).

Por seu aspecto histórico-cultural, a temática do livro não se limita aos membros da família Barater, mas torna-se uma leitura agradável a todos aqueles que se interessem pela história da imigração tirolesa no Brasil.

Anúncios

9 comentários sobre “Imigração austríaca do Tirol

    • Bom dia Misael,
      Me chamo Luiz Cezar e estou a procura da origem da minha família Paiffer ou Pfeiffer.
      Você pode me informar um e-mail para lhe enviar mais detalhes?
      Agradeço e fico no aguardo.

      Curtir

      • Prezado Luiz,

        “Pfeiffer”, em alemão, significa “tocador de pífano”, um tipo de flauta. É um sobrenome que existe em todas as regiões de língua alemã da Europa, incluindo aí, Alemanha, Áustria, Suíça e também o Tirol. Existe também na região de língua italiana do Tirol, na forma “Piffer”.

        Portanto, é muito difícil precisar a região de origem da sua família apenas pelo sobrenome, já que o Brasil recebeu imigrantes de diversas partes da Europa. Porém, se você quiser, pode escrever para o e-mail contato@tiroleses.com.br

        Atenciosamente,
        Misael Dalbosco

        Curtir

  1. Misael, poderia me ajudar? Vcs sabem se algum grupo de tiroleses migraram para Mg? Se vcs tiverem essa informação, sabe se foram para a região do vale do rio doce? Minha avó nasceu em conselheiro pena(meu bisavô nessa área tmb)que pelo que sei essa região teve imigrantes italianos numa das margens do rio e na outra margem eram alemaes. Próximo ali fica localidades como Teófilo otoni(alemaes) e a vila neitzel(pomeranos) e próximo ali, no ES tem outra cidade pomerana, porém seu sobrenome era Tomaz( algumas pessoas na família tem o sobrenome Thomas, então provavelmente o dele estava com a grafia errada) será que ele era descendente de tiroleses?

    Curtir

    • Boa tarde, Wallace!

      Os imigrantes tiroleses se espalharam pelo Brasil todo, porém não temos notícia de núcleos coloniais tiroleses em Minhas Gerais.

      Na região de língua italiana do Tirol (a atual província de Trento), existe o sobrenome Tomasi, que no Brasil muitas vezes foi alterado para Thomasi/Tomazi. No entanto, o sobrenome Thomas existe em diversos locais, inclusive no Tirol, Áustria, Alemanha, Inglaterra… difícil precisar a origem sem investigar sua árvore genealógica.

      O que sabemos é que na colônia de Dorf Tirol, na cidade de Santa Leopoldina (ES), que foi fundada por tiroleses alemães em 1859, existe sim uma família de descendentes de tiroleses com sobrenome Thomas. Talvez possam ser seus parentes, mas somente reconstruindo sua árvore genealógica é que você poderá ter certeza.

      Abraços,
      Misael Dalbosco

      Curtir

      • Muito obrigado, gostaria de saber como vc tem a informacao de onde tem colônias e como descobriu que no es tem uma familia thomas, achei impressionante! Vcs tem uma lista ou algo do tipo?. Então, pesquisando por sites americanos descobri que a familia Tomaz é provavelmente da Italia( e achei regiões proximas como Alemanha,França, etc) e vi no mapa que a regiões de origem sao incertas, mas os estados mais prováveis que mostra no mapa sao veneto , lombardio e friul(coincidentemente as regioes que mais mandaram imigrantes para mg) então provavelmente o sobrenome é dessa região. Estou construindo a árvore genealógica e as origens da familia, que pouco tenho contato. Obrigado mesmo!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s