Os imigrantes de Rodeio SC

rodeio-SC

O Blog Tiroleses no Brasil se dedica a contar a história da imigração baseando-se em fatos e documentos. Os depoimentos de pessoas idosas, geralmente filhos ou netos de imigrantes, têm muito valor, mas não são suficientes . É preciso também verificar outras fontes, principalmente os documentos históricos.

Nesse sentido, gostaríamos de apresentar alguns fatos (e fotos) que contam um pouco da história da cidade catarinense de Rodeio, fundada em 1875 por imigrantes austríacos oriundos do sul do Tirol (região de Trento), aos quais se juntaram, poucos anos mais tarde, imigrantes italianos oriundos principalmente do Vêneto e da Lombardia, além de algumas famílias de imigrantes poloneses e alemães.

A bela cidade é conhecida no Vale do Itajaí como “Vale dos Trentinos”, nome dado após a década de 1980 visando destacar a cultura local. Contudo, como veremos a seguir, nos anos da imigração até a década de 1970, os imigrantes que fundaram a cidade de Rodeio não se definiam (e não eram definidos) trentinos, mas tiroleses ou tiroleses italianos, sendo aquela uma identidade (re)construída a partir da década de 1970.

Os imigrantes tiroleses que fundaram Rodeio eram saídos das localidades de Besenello, Cagnò, Cavedine, Civezzano, Cognola, Fornace, Matarello, Pergine, Roncegno, Rovereto, Sacco, Trento, Vigolo Vattaro e Terragnolo.

Registro de nascimento em Rodeio 1876

Registro de nascimento de um filho de imigrante da família Tamanini, saída de Vigolo Vattaro no Tirol e estabelecida em Rodeio.

 

Vale lembrar que a região do Tirol sempre foi trilíngue, ou seja, ali são falados três idiomas, a saber: o alemão, o ladino e o italiano. Para entender melhor, clique aqui.  O território tirolês esteve esteve unido à Áustria de 1363 a 1918 (por bons 555 anos!) e passou para a Itália em 1918 (oficialmente em 1921) como conquista de guerra. Quando conhecemos melhor a história de Trento, vemos que ela se entrelaça com a história de outras importantes cidades austríacas como Innsbruck, Salzburgo e Viena.

 

Rodeio: imigrantes austríacos de língua italiana

A identidade nacional dos imigrantes tiroleses estabelecidos no Vale do Itajaí se documenta nos escritos do Dr. Hermann Blumenau, fundador da colônia, assim como em alguns documentos escritos pelos imigrantes ou pelos padres franciscanos  atuantes entre os imigrantes de língua italiana. Os fundadores de Rodeio e Rio dos Cedros, bem como da comunidade Tiroleses, eram saídos do Império Austríaco, mas seu idioma era o italiano além do dialeto trentino, também chamado tiroles (para especificar a região de procedência) e mais comumente talian, indicando o grupo linguístico de língua (e não de nacionalidade) italiana, haja vista que havia também imigrantes falantes de alemão e polonês, vindos de diversos países.

Documenta-se um escrito em latim, datado de 1895 e parte do acervo franciscano de Rodeio, no qual o frade descreve a nacionalidade, a procedência e o idioma dos imigrantes fundadores da localidade, Trata-se de um documento escrito apenas 20 anos após a chegada dos imigrantes:

Original em latim:

1875 – 1895

Vastis ampla et longa c. 10 chilm., eni datum est nomen ,,Rodeio” (…) excipit anno 1875 i. c. 25 anni post fundationem Colonias Blumenauensis, ab imigrantibus nationis austriacae, idiomalis tamen italici, ex Tirolo meridionali”.

Tradução:

“1875 – 1895

Amplamente vasta e longa 10 quilômetros ao qual foi dado o nome de “Rodeio” (…) surgida em 1875, ou seja, 25 anos após a fundação da Colônia Blumenau, com imigrantes de nacionalidade austríaca, contudo de idioma italiano, saídos do sul do Tirol“.
Rodeio Padres franciscanos 1

Anotação em latim de 1895 sobre os imigrantes que fundaram Rodeio. Ao lado, escrito posteriormente em português, lemos: “Início da fundação: italianos tiroleses”.

 

Imigrantes saídos do Tirol, de nacionalidade austríaca e de língua italiana. Muitos podem se perguntar: como eram austríacos se não falavam o alemão? No entanto, vale lembrar que até 1918, o Império Austríaco possuía 12 idiomas oficiais, entres eles o idioma italiano falado no sul do Tirol.

Linguas imperio

Os idiomas no Império Austro-Húngaro. Na região do Tirol, à esquerda, são falados três.

 

Em outro escrito, também datado de 1895, são mencionados os imigrantes que se estabeleceram na Colônia Blumenau: os tiroleses se estabelecem em Caminho dos Tiroleses (em direção a atual Timbó), Rio dos Cedros e Pomeranos (do bairro S. Antônio em direção a Pomerode), juntamente com alguns  imigrantes italianos vindos do norte da Itália; há, ainda, os imigrantes de língua polonesa da Prússia e da Rússia, além de imigrantes húngaros, em sua maioria de língua alemã, saídos do Império Austro-Húngaro assim como imigrantes os tiroleses.

Original em latim:

(…) multi novi coloni intrarunt ad valles: Caminho Tiroleses, Rio dos Cedros et Pomeranos, quasi omnes oriundi ex Tirolo, parvi ex Italia septentrionalis. Anno 1890 (…) familiae ex Polonia prussiana et russiana, (…). Anno seguenti 1891 advenerunt multi emigrantes hungarici, maxima ex partelingua germanica”.

Tradução:

“(…) muitos novos colonos entraram no vale: Caminho Tiroleses, Rio dos Cedros e Pomeranos, quase todos oriundos do Tirol, alguns do norte da Itália. No ano de 1890 (…) famílias da Polônia prussiana e russa, (…). No ano seguinte, em 1891, adentraram muitos imigrantes húngaros, em sua maior parte de língua alemã”.

Rodeio Padres franciscanos 2

No ano de 1903, as relações consulares austríacas se intensificaram no Vale do Itajaí, após a visita do austríaco Carlo Bertoni, representante do governo imperial austríaco. A primeira visita desde 1875 tinha uma motivação específica:  incentivar a produção do bicho-da-seda entre os colonos tiroleses, para que fosse estabelecida a exportação para a Europa. Contudo, devido a vários fatores, tais como clima e logística, os colonos austríacos não conseguiram dar prosseguimento ao projeto. Outro fator que dificultava a venda era a forte influência dos colonos alemães, que praticamente monopolizavam as vendas de produtos, bem como a compra da produção agrícola.

 

Rio dos Cedros - Poema tiroleses 1903 - 1a. ed.

Relato da visita do cônsul austríaco a Rio dos Cedros em 1903.

 

Um documento que merece atenção é o estatuto da Lega Austriaco-Brasiliana di Rodeio nel Municipio di Blumenau (“Liga Austro-brasileira de Rodeio no Município de Blumenau”), fundada em 14 de dezembro de 1909 em Rodeio, que naquele tempo ainda pertencia ao município de Blumenau. O texto escrito em perfeito italiano apresenta as finalidades da sociedade austro-brasileira que teve como primeira diretoria imigrantes tiroleses residentes em Rodeio e Rio dos Cedros:

Presidente: Giuseppe Sevegnani

Vice presidente: Emanuele Moratelli

Secretário: Battista Bonatti

Tesoureriro: Antonio Nardelli

Estatuto Liga Austriaco Brasiliana Rodeio 1

Estatuto da Liga Austro-brasileira de Rodeio (1909).

Estatuto Liga Austriaco Brasiliana Rodeio 2

Estatuto da Liga Austro-Brasileira de Rodeio (1909).

 

Os jornais anteriores ao ano de 1975 (centenário) também documentam que os imigrantes e descendentes se definiam Tiroleses ou Tiroleses italianos ao invés de trentinos. O uso da palavra (que originalmente identificava especificamente o habitante da cidade de Trento) passou a ser usado após a festa do centenário e comentam suas relações com as representações consulares austríacas.

Rodeio - municipio tiroles

Trecho do jornal O Semeador (1938), editado em Rodeio, onde lemos, no início do texto, sobre a origem dos imigrantes tiroleses de língua italiana.

 

Mas não são apenas os sobrenomes e os registros históricos que nos permitem identificar a cultura tirolesa em Rodeio. Além do dialeto, há ainda a culinária tradicional, as músicas folclóricas (anteriores ao centenário) e, entre os antigos moradores, imigrantes e seus filhos, vemos muitas características da cultura ancestral.

Rodeio Banda 1914 - fundada em 1888

1914: Banda musical de Rodeio, fundada em 1888. O posicionamento dos componentes e a disposição das bandeiras ao Sagrado Coração de Jesus, são idênticas às das antigas bandas e companhias de atiradores do Tirol (Bersaglieri, Schützen).

Castello Tesino Bersaglieri

1909: Companhia de atiradores (Bersaglieri) de Castello Tesino com as bandeiras do Tirol e do Sagrado Coração de Jesus.

Val di Cembra - Bersaglieri

1890: Companhia de atiradores de Val di Cembra, com membros dos arredores de Fornace.

 

Uma preocupação dos imigrantes tiroleses no Brasil era a fundação de escolas. Isso porque a Áustria foi pioneira no ensino infantil obrigatório, instituído já em meados de 1700 pela imperatriz Maria Teresa, respeitando a língua falada em cada localidade.

scuole

Livro escolar austríaco em língua italiana para os alunos do Tirol Italiano (Rovereto, 1823).

 

Rodeio Escola 1895 franciscanos

1895 – Escola em Rodeio, mantida pelos frades franciscanos. As vestimentas das crianças (principalmente das meninas) seguiam ainda os padrões do traje camponês do Tirol.

 

No século XIX, a taxa de analfabetismo no Tirol era praticamente inexistente, inclusive à época da imigração, de modo que a grande maioria dos imigrantes tiroleses era formada por pessoas alfabetizadas. Um episódio que merece ser contado foi registrado pelo padre Piero Vinante, natural de Tesero, vilarejo de montanha na Valsugana. O padre registrou um ocorrido de 1918, quando as tropas italianas entraram no Tirol:

“Voglio solo accennare ad un episodio che mi è stato riferito da un’anziano di Tesero, mio paese natale. Mi ha raccontato che nel novembre del 1918,  quando arrivarono lassù le truppe italiane,  l’Ufficiale che comandava il presidio di stanza a Tesero aveva fatto al Sindaco questo discorso:

– Ora porteremo anche quassù le scuole per tutti.

– Ma qui – osservò il Sindaco – la scuola c’è sempre stata. 

– Ma d’ora in poi – precisò  l’Ufficiale – la scuola sarà  obbligatoria per tutti e  per cinque anni!

– Ma signor Colonnello – rispose il Sindaco – qui è da un secolo che si va a scuola – obbligatoriamente e non per cinque anni , ma bensì per otto!  

 ll’uomo,  il Colonnello italiano, rimase allibito.”

 

Tradução:

“Gostaria apenas de destacar um episódio que me foi contado por um ancião de Tesero, meu vilarejo natal. Ele me contou que, em novembro de 1918, quando chegaram lá as tropas italias, o Oficial que comandava a guarda de estância em Tesero, disse assim ao prefeito local:

– Agora traremos também aqui em cima as escolas para todos.

– Mas, aqui – disse-lhe o prefeito – sempre existiu escola. 

– Mas, de agora em diante – respondeu o oficial – a escola será obrigatória para todos e por cinco anos!

– Mas, senhor coronel – responde-lhe o prefeito – aqui se frequenta a escola já faz um século, obrigatoriamente e não por cinco anos, mas por oito! 

 Aquele homem, o coronel italiano,  ficou chocado.”

Scuola austriaca Moser Tirolo Pergine

1902: boletim escolar austríaco da aluna Ida Moser, natural de “Pergine no Tirol”, que ingressou na escola em 1895.

 

1975: de Tiroleses italianos a italianos trentinos.

O ano de 1975 marcou a festa do centenário da imigração em muitas cidades “italianas” do Brasil, recordando a chegada de milhares de imigrantes de língua italiana aqui chegados do Império Austríaco e do Reino da Itália em 1875.

Obviamente, muito tempo se passara desde a imigração e, embora muitas características culturais haviam sido preservadas, muitas haviam se perdido enquanto outras foram adaptadas à realidade brasileira, catarinense e do Vale do Itajaí. Membros de entidades italianas visitavam as comunidades, “redescobrindo” um passado que havia se mantido imune a duas guerras mundiais que mudaram drasticamente a realidade social e geopolítica da região tirolesa.

Ao mesmo tempo que as festa “resgatava” laços com a terra de origem, os habitantes da cidade de Rodeio se deparavam com uma nova realidade, que não era mais aquela do Tirol Italiano, parte sul da província austríaca em uma Áustria imperial, mas era do Trentino, uma província autônoma na República Italiana.No Brasil, os imigrantes passaram décadas em um tipo de “isolamento”, ao qual se seguiu um período conturbado durante a campanha de nacionalização promovida pelo governo de Getúlio Vargas, reprimidos de usar seu idioma durante o período da Segunda Guerra quando  o Brasil declarou guerra aos países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão).

Já a região tirolesa passou por profundas mudanças após a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918), após ter sido anexada pelo Reino da Itália e ter sofrido toda a censura possível durante o regime fascista de Mussolini (que procurou apagar a memória local e a antiga história austríaca), depois com a anexação da Áustria pela Alemanha nazista, gerando crises étnicas que culminaram com a Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945). Naquela década de 1970, em Trento, Roma e Viena viam-se discussões sobre o segundo estatuto de autonomia regional, com debates e crises políticas na Onu entre a República Austríaca (tutora da autonomia) e a República Italiana (responsável pela autonomia).

É em meio a todo esse contexto que o chamado “resgate” das origens se faz juntamente com a fundação dos círculos trentinos no Brasil, muitas vezes despreocupados em identificar características próprias da região de Trento que condiziam com a realidade dos imigrantes tiroleses.Dessa realidade resultaram confusões, assim como desconforto (e até mesmo proibicionismo) no que se refere a tudo aquilo que pudesse colocar em risco ou impedir uma identidade italianíssima e unicamente “trentina”.

Todavia, encontramos em alguns livros sobre a imigração “italiana” do Vale do Itajaí algumas informações que condizem com a realidade histórica dos imigrantes.

Rodeio Berri 1995

O escritor Aléssio Berri sobre os fundadores de Rodeio.

Mas a história de Trento (e do Tirol Italiano em geral) se demonstra muito diferente do que o senso comum considera tipicamente italiano, haja vista que aquele pedaço de terra entre a Itália e a Alemanha é uma “ponte” entre dois mundos (germânico e latino) e excluir a realidade da identidade austríaca dos imigrantes, bem como escolher quais características preservar (em detrimento de outras),  significa “perder” um rico passado e “empobrecer” uma cultura secular que se manteve no Brasil.

Uma leitura que vale a pena é a dissertação de mestrado A (re)invenção da italianidade em Rodeio – SC (UFSC, 2003), de autoria de Janiane Cinara Dolzan, em que são analisados os modos pelos quais foram “resgatadas” as tradições “trentinas”, muitas vezes baseando-se em estereótipos sobre ser italiano. Link.

—-

Nosso agradecimento especial a dois colaboradores de Rodeio que gentilmente nos cederam documentos muito importantes e interessantes:

Gabriel Dalmolin, estudante de História (3. ano), agradecemos pela cópia do estatuto da Lega Austriaco-Brasiliana di Rodeio.

Nélson Dellagiustina, professor e pesquisador local (com uma fantástica coleção de fotos antigas de Rodeio), agradecemos pelas fotos históricas da banda e documentos dos frades franciscanos.

 

Referências bibliográficas:

BERRI, Aléssio. Agreções indógenas na colonização italiana. Blumenau: Casa Dr. Blumenau, 1993.

DOLZAN, Janiana Cinara. A (re)invenção da italianidade em Rodeio – SC. Dissertação de História. Florianópolis: UFSC, 2003.

EGG, Erich. La tradizione degli Schützen nel Tirolo di lingua italiana. Mattarello: Futura, 2000.

Anúncios

4 comentários sobre “Os imigrantes de Rodeio SC

  1. Muito interessante e sobre tudo informativo com muita riqueza de detalhes e registros históricos. Parabéns pelo trabalho de pesquisa e dedicação ao assunto.
    Muito louvável o esforço pela manutenção de nossa história.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s